Política de Fato

1º de maio: história e homenagens para a classe trabalhadora

“O trabalho dignifica o homem!” feliz Dia do trabalhador!


01/05/2020 10:48

*Aislan Mendonça

No dia 1º de maio, homenageia-se o Dia do Trabalhador, com cunho de celebrar as conquistas dos trabalhadores ao longo da história. Nessa data, em 1886, calhou uma grande manifestação de trabalhadores na cidade de Chicago, nos Estados Unidos. As manifestações ficaram conhecidas como a Revolta de Haymarket, onde milhares de trabalhadores foram às ruas reivindicar melhores condições de trabalho, entre elas, a redução da jornada de trabalho de 13h para 08h diárias. O protesto terminou com a explosão de uma bomba, cerca de onze pessoas morreram e centenas ficaram feridas; o episódio ficou muito nebuloso, até hoje é contado por diversas teorias. Tem quem diga que a bomba foi jogada por anarquistas contra a polícia ou, ainda, um ato do governo que buscava jogar a opinião pública contra os protestos.

De qualquer forma, a luta dos americanos foi reconhecida. A luta da classe trabalhadora por melhores condições de trabalho chancela a história de cada trabalhador daquela época, e para homenagear aqueles combatentes enlaçados nos conflitos, a Segunda Internacional Socialista, na França, em 20 de junho de 1889, criou o Dia Mundial do Trabalho, acertada e comemorado em 1º de maio de cada ano. E logo foi reconhecida na Europa, onde já em 1890 o Primeiro de Maio começou a ser marcado por cerimônias e manifestações. Desde então, a data foi se propagando por todo o mundo. Hoje é celebrada em mais de 80 países.

No Brasil, Há relatos de que a data é comemorada desde o ano de 1895, com a chegada dos europeus no fim do século 19 e trouxe com eles os ideais de luta trabalhista. Por outro lado, a Greve Geral de 1917 nas principais cidades da época. No estado de São Paulo, cerca de 50 mil pessoas paralisaram o trabalho para reivindicar: jornada de oito horas diárias, direito a férias, proibição do trabalho infantil, proibição do trabalho noturno para as mulheres.

Com o passar dos anos, as pessoas passaram a se reunir por todo país no dia 1º de maio, realizando discursos, apresentações musicais, passeatas, e outras atividades ajudou a pressionar o governo pela mudança no cenário operário. A iniciativa passou a ser prática comum, sempre no 1º de maio.

No entanto, somente foi oficializada após a criação do Decreto n°4.859/1924, pelo o então presidente Arthur da Silva Bernardes (1922-1926).

Ainda assim, a maior mudança, só veio cabalmente nas décadas de 1930 e 1940, na era Vargas. O então presidente Getúlio Vargas passou a utilizar o 1º de maio, não apenas para homenagear os trabalhadores, mas como também para divulgar mudanças e benefícios trabalhistas como a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Em 1º de maio de 1943 (sim, a data foi escolhida intencionalmente), houve a criação da Justiça do Trabalho, garantindo direitos básicos, como salário mínimo e duração da jornada de trabalho.

Então esta data passou a ser dedicada à homenagens e histórias para a nossa classe trabalhadora.

A união dos trabalhadores marcou em definitivo os dias de luta naquela época. É extremamente importante lembrar desse cenário histórico de lutas e vitórias.

Nesta esteira, dedico para todos aqueles que lutam dia após dia para dignidade e honra. Vivemos momentos difíceis, mas como já diz o conhecido ditado: “O trabalho dignifica o homem!” feliz Dia do trabalhador!

Aislan Mendonça é Sócio-Proprietário no OMT Advocacia & Consultório Jurídica.